Thursday, April 30, 2009

E agora, quem sou eu?

ela roubou meu caminhão.

e, sinceramente, eu posso ganhar a vida de outra forma.

ela roubou meu caminhão.

o grande problema de tudo isso é que nele estava
meu trabalho,
minha dignidade,
meu amor próprio,
meu senso de ridículo,
meu orgulho,
minha honra
e meus documentos todos:
cnh, identidade e cpf.

Eu te paixono.

eu estou apaixonado
bastante apaixonado
apaixonado o suficiente
para quase te enganar,
quase me enganar.

sim, estou apaixonado,
mas eu não te amo.

e tem sido assim desde sempre
só que antes havia mentiras,
havia precipitações,
havia pressa.

não, eu não te amo
e nem sinto muito,
porque eu estou apaixonado.

Tuesday, April 28, 2009

Àquela sem pseudônimo, ainda.

há o silêncio e,
na alma,
o grito
quase ensurdecedor
de desespero,
agonia e dor,
quase rasga o éter
e toma a realidade.

mas não.

essa é uma noite para resistir,
para fechar os olhos e respirar fundo
para simplesmente evitar-se,
evitar-te,
fugir de cada pensamento teu
que me vem à mente,
de cada sorriso que estou perdendo,
de cada vez que teu lábio não toca os meus.

essa é mais uma noite para se esconder
entre as cobertas e suar frio
e, entredentes não dizer teu nome quente
que quase queima minha língua.

noite de resistência
que passo escondido em meu bunker,
entre músicas e livros do passado
antes de você.

Monday, April 27, 2009

Soneto torto da busca.

na busca pelas pequenas coisas,
os mínimos detalhes,
os sorrisos sinceros,
a gente se perde.

nós nunca mais encontramos
os amores que quisemos
os sonhos que tivemos
as vidas que um dia pensamos ter.

na busca incessante por felicidade
na vida, esquecemos de viver
e nos tornamos sombras.

nos cantos das fotos, nos sorrisos,
é sempre possível ver
que nunca estaremos completos.

Sunday, April 26, 2009

"eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei eu sei"

sei de tanta coisa
que preferia esquecer.

sei de tanta coisa que me faz mal
que o que me faz bem
quase não entra mais na minha cabeça.

Saturday, April 25, 2009

"Canções de amor se parecem porque não existe outro amor."

queria jurar
de pés juntos
joelhos no chão
que eu nunca mais repetirei as palavras
antes ditas.

mas eu sei que é mentira.

e que tudo é uma coisa só.

Eu já sabia.

eu sempre achei as coisas tão certo
sobre o passado
e todas as coisas assim
que agora...

agora eu paro pra pensar:
por que diabos eu não me preparei melhor
para tudo o que ia viver?

eu já sabia
das coisas
e por sabê-las todas
me perdi.

há certos silêncios que são maiores que todas as poesias.

...

"estás aí, além do oceano? estás aí além do céu?"

não.

O segredo do abismo.

cada verso escrito no escuro
conta um segredo
que tenho medo de ser estragado pela luz.

"O que for, quando for, é que será o que é."

são em noites
de desespero
que encontro
no escuro
a solidão.

em seus braços ela me super-aquece
me subnutre,
mas desidrata.

são em noites quentes
de um outono que nunca vem
que espero por aquilo
que não sei o que é,
mas sei que nunca vai chegar
como espero que venha.

é engraçado pensar em tudo.

é de arrancar lágrimas
lembrar tudo o que não foi
tudo o que não é
tudo o que não será.

é triste lembrar do passado
e saber que é só lá
que ele permanece.

e só nos resta aceitar
cada fato dessa história
porque se não fosse assim
de nenhum outro jeito seria.

"e tô rezando pra você ficar na merda."

porque a vida...
a vida é mesmo uma piada
e se a gente não achar graça...
se a gente não achar graça
a gente fica sempre na merda.

Friday, April 24, 2009

Sobre ser uma esponja.

jamais ficarei preso no céu.

prefiro cair a ficar para sempre preso n'algum lugar.

Sobre pensar...

eu penso
em todas as coisas que foram,
em todas as que não foram,
todas as que poderiam ser
se houvesse vontade por algumas partes
por metade delas
ou por ambas.

eu penso demais
e acabo perdendo o tempo
que deveria gastar fazendo.

Thursday, April 23, 2009

Fogo e cinzas.

às vezes há o fogo
que queima tão forte
e brilha tão forte
que só podemos observar de longe.

às vezes há apenas o fogo
queimando tudo aquilo que um dia amamos.

e cada lembrança,
cada pensamento,
serve de combustível.

às vezes há cinzas
e, delas, não se pode tirar nada,
nelas nada restou.

e quando há somente cinzas,
não temos mais nada.

talvez, então,
sejamos livres
ou eternamente prisioneiros.

quase sempre a escolha é nossa.

quase sempre...

Tuesday, April 21, 2009

O preço das coisas.

nada é de graça
como a gente pensa que é.

nada é completamente livre
como a gente acredita que certas coisas são.

sempre há uma corrente a nos prender.

tudo tem um preço.
inclusive
eu e você.

Monday, April 20, 2009

De lado a lado são muitos anos luz para se atravessar.

a mão passeia no ar
lentamente
de um lado para o outro
um leve e lento gesto de adeus:
dedos se agitando devagar
dizendo para nunca mais voltar.

o cotovelo apoiado no braço cruzado sobre o peito
os cabelos caindo sobre os olhos
que se escondem para nunca mais se mostrarem
e já não há cheiros a essa distância,
já não há vozes.

não há um sussurro final,
não há uma lágrima de saudade,
é arrependimento e alívio
que chegam a criar um leve sorriso
no canto dos lábios.

agora,
como sempre foi e sempre deveria ter sido,
há distância
e ela é maior
que entre as extremidades do universo.

Irmãzinha.

você me diz segredos no ouvido
e teu cheiro me vem
como a primavera,
devagar, sem se notar,
mas enchendo o lugar de coisas
que antes não estavam lá.

você me faz dizer coisas
no teu ouvido
que ouvido nenhum nunca antes havia esctuado,
faz com que eu diga verdades
que eu guardava a sete chaves,
faz com que eu confie.

você até chega a me dar beijos
e jurar-me amor por tempos e tempos
e eu, na minha empolgação,
na minha tolice, juvenilidade,
acredito em cada promessa feita sob a luz fluorescente
do quarto trancado,
na noite escura e quente.

então, você pede pra que eu me enrosque em você
que você quer me sentir perto
e eu jogo minhas pernas por cima das tuas,
te seguro pela cintura,
beijo tua bregma
e, sem notar,
te digo que te amo.

eu sou fraco
e você me explora,
é sempre assim.

eu não consigo não dizer que amo
quando o faço,
depois que aprendi que falar
é melhor que calar,
porque assim as dores têm motivos...
a vida tem seguido de forma confusa.

você me diz
que não tem mais tempo
que não tem mais espaço
que não tem mais nada...
você diz tudo isso para mim,
que te deu tudo isso,
tudo o que você não tem...

eu sei agora que
o que você nunca teve, amor,
foi amor.

Saturday, April 18, 2009

"dor não cura com penicilina."

mas como ela é sempre causada
por aquilo que deve ser eliminado,
logo logo vai embora.

Cansado.

estou cansado

de novo

de tudo isso
de todo mundo
falando o que quer
o que acha
o que pensa.

como se importasse qualquer coisa dessas,
como se eles fossem algo.

estou cansado
de saber que todos são nada e
que no fim
não importa.

Intolerância.

há o desprezo

há o saber que,
no mundo,
existe tanta coisa que não melhora,
que não serve.

há a confusão,
no entanto,
entre todos os que acham que há valor no lixo,
que há beleza no nada.

há todo um mundo diferente do meu.

e cada um pior que o outro.

Thursday, April 16, 2009

Casamento.

lembra da noite em que eu pedi
pra você casar comigo?

depois de te ouvir dizendo não,
brincamos a noite toda debaixo dos lençóis.

você lembra da manhã seguinte?

nós nos olhamos bem fundo nos olhos
e vimos que logo tudo estaria diferente.

a culpa não era de nenhum de nós,
mas ambos a sentíamos.

O defeito.

você é linda
e sabe disso
e tem um corpo
sensacional,
você sabe disso.

e você sabe
de boa parte das coisas
que as pessoas normais querem fazer com você

mas eu quero tudo isso e mais.

coisas que você entende, mas nunca pensou
que fossem querer algum dia
fazer com você.

coisas que não se explica assim fácil.

você é linda,
e tem um corpo
que faria muitas cabeças virarem pra te acompanhar andar.

mas tem algo em você
que me lembra perfeição.

Segredos de liquidificador.

eu te digo
no ouvido
qualquer coisa sobre amor

e você ri
quando beijo o seu umbigo
e falo que você tem gosto de pêssego
num pôr do sol de agosto.

eu sugo tua língua,
mordo com força
enquanto você passeia por mim.

eu vejo teus olhos tão negros
e penso em como a noite me agrada
quando tem muitas estrelas no céu.

eu toco o teu corpo
com a ponta dos meus dedos
sinto o calor e a umidade.

entre os lençóis,
nossos corpos,
entre nossos corpos,
todo o espaço.

tudo o que é necessário,
tudo o que é inútil,
toda a vida,
tudo, tudo, tudo
está nas coisas
que digo
ao teu ouvido.

A música.

eu revejo a cena
reouço a música que tocava
enquanto o mundo todo estava lá fora
vivendo.

e eu quase rio,
eu quase choro,
eu quase penso em pensar querer alguma coisa,
alguém.

mas daqui a pouco menos de 3 minutos,
nada disso estará como está.

e será o fim.

Wednesday, April 15, 2009

Confissões de um super herói.

eu sou um herói
que tem apetrechos e capa,
cueca por cima da calça,
pronto para salvar.

eu sou só um louco qualquer
que pula de teto em teto
esperando, torcendo, rezando,
para n'algum deles te encontrar.

sei voar além de onde
os olhos possam alcançar,
estou aqui, estou ali,
estou em todo lugar.

eu sou de aço:
ferro e carbono,
em proporções tão desiguais.

tenho em meus braços
tanta força
que mal posso me conter

por isso vivo sempre por perto
da minha fraqueza:
você.

Monday, April 13, 2009

Mas o que tenho é nada, o que tenho é pouco, o que tenho é a Morte.

não são teus olhos castanhos
que às vezes ficam tão escuros
quanto o céu de uma meia noite sem luar
que me fazem falta.

nem quero os teus lábios rubros
tocando os meus para matar a sede de toque que tenho.

não quero tuas mãos frias a despertar calores
em meu corpo.

não quero tuas palavras ao meu ouvido
porque elas não me fazem falta.

o que quero, meu bem,
o que quero como, creio eu,
nunca quis mais nada na vida,
é o frio, o medo e a insana vontade de sempre mais
quando se tem quase tudo.

eu quero o amanhã e o agora,
eu quero o ontem como se não tivesse passado,
quero, sem dúvidas, ter todos os sentimentos
e o conhecimento,
quero a vida.

Saturday, April 11, 2009

Eu vejo o que vejo e só penso em sorrir.

e eu rio e rio e rio.
e há um rio de risadas fluindo até o mar.

Thursday, April 09, 2009

"não vê que o mal passou e só nos resta ser feliz?"

cada um com seus sorrisos,
cada um com suas lágrimas.

eu no meu canto e você no teu.
porque entendo que é pro bem.

Wednesday, April 08, 2009

À mulher dos sonhos, das noites e das distâncias.

em seus olhos posso me perder por dias,
navegar num infinito de possibilidades
e, quem sabe até,
me sentir bem.

observo como vai guiando a vida,
porque ela é uma criatura estranha
que merece ser estudada,
além de ser linda de se olhar.

em seus lábios estão as palavras que não se espera escutar
e os lábios que não se espera encontrar
mas sempre parece dizer exatamente o preciso.

e eu poderia dar mil razões para me justificar,
quanto ao que sinto por essa garota tão estranha,
chamá-la de especial ou coisa que o valha não seria,
jamais, o bastante.

a verdade é que não dá para não amar fernanda.

Tuesday, April 07, 2009

De quando tudo nunca é o bastante.

quando se tem tudo
tudo se perde.

quando se tem nada
nada faz sentido.

quer-se tudo o que se quer
para assim ser feliz quem quiser,
mas...

as coisas não funcionam bem quando a vida é assim.

O veneno era doce.

porque o que você me deu
nunca foi forte o bastante
para fazer qualquer efeito.

Monday, April 06, 2009

Sunday, April 05, 2009

Silêncio.

ela cantava as canções de sempre
só que dessa vez
ao meu ouvido.

e isso mudava tudo,
mudava o mundo
e dava cores ao cinza que pintava os céus.

ela sorria quando me via
e eu pensava que até podia
ser algo bom tudo aquilo.

e ela também me fazia ter vontade de cantar,
de escrever coisas novas e coisas belas
de compor as músicas que nenhum de nós ouviu ainda.

ela dizia ao meu ouvido coisas
que já foram ditas por outras pessoas que diziam o que nós dizíamos
mas agora é que tudo parecia fazer sentido.

é sempre assim.

só que as músicas não duram para sempre.

Há coisas demais no mundo.

há fome
e há dor
e há tristeza.

há coisas demais no mundo.

há gente
e há pessoas
e há bilhares de universos.

há tanto espaço entre todos que não cabe no espaço.

há vida
e há morte
e há o fim.

há tanta besteira entre as duas que é melhor passar sem nada.

Saturday, April 04, 2009

O Sonhar.

canções repetidas madrugada a dentro
eu fecho os olhos
para sonhar,
pensar,
e eu não chego nem perto disso.

um dia eu tive ouro,
tive jóias,
tive reinos,
tive rainhas
e possui campos imensos,
mas algo aconteceu
e tudo ruiu,
tudo acabou,
tudo morreu.

um dia eu acordei
e nunca mais consegui voltar ao lugar onde pertenço.

Imensurável.

todos os dias
as minhas noites são perdidas
sem você.

e todas as noites
meus dias perdem o sentido
sem você.

e toda hora
o tempo parece não passar
para me lembrar

que não tenho você comigo
para sorrir
ou para chorar.

todas as noites
os dias têm sido, para mim,
suplícios.

e todos os dias...
todos os dias eu te desejo.
como nunca.

"Dia a mais sem você."

a madrugada cheira a ratos,
baratas,
esgosto.

a vida lá fora se resume a isso
e aqui dentro estou eu
sofrendo com pensamentos
pensando nos sofrimentos
deixando a vida de lado.

a madrugada cheira a lixo,
carniça,
morte.

e de alguma maneira eu sinto que tudo não precisa se encaixar
e que a felicidade realmente não passa de momentos
que devem ser aproveitados ao máximo.

a madrugada é repleta de sonhos alheios
e a todos eu leio
esperando que algum dia eu tenha meu próprio.

as pálpebras cerradas
escondem o mundo de mim
em uma tentativa falha
de embelezar a existência.

mas ela já é bela por existir
e não precisa de outro sentido além de si.

a madrugada cheira a enxofre e amônia,
alimentos recém vomitados na sarjeta.

e, de alguma forma que não sei como,
tudo isso me lembra a mulher que nunca vi,
com quem não saí,
com quem não dormi,
e com quem não terei uma vida.

"não vou mais reviver."

as coisas do passado,
no passado ficarão.

tanto pregam que essa é a época da ressurreição,
mas prefiro deixar mortos enterrados.

por mais falta que façam.

por mais que sinta vontade de ouvir a voz,
sentir o cheiro, olhar os olhos,
por mais tentador que tudo seja,
o que foi foi e não de outro jeito havia de ser.

Friday, April 03, 2009

Fraqueza.

simplesmente sabe
das coisas que sei
me faz às vezes forte,
às vezes fraco.

não saber tudo o que não sei
não saber tudo o que imagino,
sempre me enfraquece,
sempre me transforma num menino

diante de um mundo imenso,
diante da vida inteira
que se abre com seus inúmeros caminhos
e suas inconstantes brincadeiras.

sempre me sinto fraco
quando penso fora de mim.

O caminho.

eu perco tudo no caminho
entre lá e cá
eu perco tudo no meio.

perco o passo,
perco a trilha,
perco o senso,
perco o ciso.

perco tudo o que tive
e até mesmo o que nunca tive.

perco tudo
enquanto sigo.

Thursday, April 02, 2009

Loucura.

a loucura
é a beleza da vida.

e espero que nunca me falte.

O veneno.

e por que você não morre
depois de tudo o que te dei?

Abril.

era uma tarde quente de abril
quando a faca forte e fria
em sua face um sorriso abriu
trazendo à tona uma fina linha
por onde a vida lhe escapuliu.

era uma noite quase boa,
um corpo caído no chão,
esse tipo de notícia voa,
mas eu sei de antemão
e agora suas curvas formosas
estão paradas na contramão.

posso dizer com um sorriso
de prazer e de alegria
senti em meu peito um grito
que precisava sair um dia
e fico feliz por isso,
hoje é quase um paraíso.

seus lábios que um dia beijei
serão devorados por vermes,
sua pele tão cheirosa,
decompor-se-á enquanto eu vivo
e sua vida vai embora
e isso tudo foi preciso.

Wednesday, April 01, 2009

"Eu não amo ninguém."

percebo que amar não me faz falta.
porque ninguém vive verdadeiramente da ausência do amor.
percebo que me basta amar aqueles que amo.

mas entendo agora que
o que mais queria ao enganar alguém com o meu amor
era ser enganado pelo amor dessa pessoa.

não sinto
e creio que nunca senti
falta de amar.

falta, na verdade, me faz alguém que se sinta bem em me amar.

talvez eu nem tenha amado tanto assim na vida
talvez tenham sido esforços vãos para que me amassem.

talvez.